sábado, 31 de março de 2012

Dia do Autismo

Estamos nos preparando para divulgar o dia da conscientização do Autismo, e pensar que há 5 anos atrás não conhecíamos nada a respeito do assunto, e hoje tudo que aparece sobre o tema é lido, fora os milhares de livros comprados.
Por isso, hoje dou valor as várias campanhas que aparecem de diversos assuntos, mesmo que no momento atual de minha vida não tenham uma conexão direta, afinal nunca sabemos o que virá no nosso futuro e nem conhecemos as dores das pessoas envolvidas, em tantas síndromes, transtornos e doenças que existem ao nosso redor.
Mas este mês de abril para nós é muito especial, pois nosso querido Rafael está muito diferente, e já consegue expressar suas vontades, como o que vestir, o que comer, o que levar de lanche, e até algumas negociações como banho, vitamina e dormir. Esperamos muito por isso, e mesmo sendo de forma simples suas expressões, ele tenta nos explicar o que quer até entendermos, usando palavras simples como cores, formas ou características que o marcam, como por exemplo ele nos diz, quero ir no Shopping da árvore, é o Park Europeu, que ele percebeu que diferente dos outros shoppings de Blumenau tem árvores na entrada.
Sendo assim temos muito a comemorar este ano, e temos certeza que sua evolução só irá melhorar, nossa fé e nosso trabalho nos levam a isto.

domingo, 25 de março de 2012

Início de Postagens

Hoje início as Postagens neste blog, o meu primeiro blog inclusive. Aqui quero registrar e compartilhar com outras mães a história de nossas crianças, que são nossos tesouros, e que vieram ao nosso mundo um pouco diferentes em seu modo de viver, para nos ensinar alguma lição, tenho certeza. O Rafael, meu filho único, foi muito desejado e esperado, e teve seu desenvolvimento normal até cerca de dois anos, onde então começou a parar de falar as poucas palavras que falava até esta idade. Com cerca de três anos é que apresentou outros sintomas do espectro autista, percebidos principalmente na escola, onde não era compreendido pelos professores e pelas outras crianças. Recebemos então o diagnostico de TID (Transtorno Invasivo do Desenvolvimento), e logo em seguida iniciamos todo o tratamento proposto, medicamento e terapias, e hoje, quase dois anos depois, ele é outra criança, continua muito feliz e alegre como sempre, mas consegue se comunicar bem, embora não forme frases longas ainda, e gosta de estar perto de pessoas principalmente de crianças. Sendo assim vamos registrar sua história e trajetória, e assim, quem sabe, ajudar outras mães e crianças com características semelhantes.