quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Avós: amor incondicional...

Tão importante como o amor incondicional de nós, pais de nossos anjos, temos o amor imenso de familiares de nossas crianças, especialmente os avós.
E como é importante a aceitação e todo o carinho de toda a família pelos nossos anjos, é incrível como eles são sensíveis e sentem a intensidade desde grande amor!
Quando nosso anjo nasceu, foi o primeiro neto das duas famílias, e permaneceu assim até os 4 anos, recebendo muita atenção e muito amor de seus avós, que são loucos por ele, do jeitinho lindo que ele é, adoram seu jeito de ser e sempre o entenderam, mesmo quando as palavras teimavam em não se pronunciar.
O nosso pequeno Rafael ficou aos cuidados de sua avó materna o dia todo até 1ano e 8 meses, e raramente fica doente, praticamente não tomou remédios fortes ou antibióticos, e tem um enorme amor por ela, pelo menos uma vez por semana pede: "dormir na vovó".
Claro que logo após o diagnóstico, nossos familiares também passam por uma crise de aceitação assim como nós, mas depois de superada esta fase eles contribuem muito na criação de nossos pequenos, inclusive quando estamos exaustos, ou por crises, birras, doenças ou noites mal dormidas, quem nos salva? Os queridos avós ou familiares.
E como nossos anjos sabem conquistar estes pais com açúcar, eles conseguem tudo o querem com aquele sorriso maroto ou com aquele olhar fatal, nem precisam tentar falar nada!
O Rafael é muito sapeca, sabe exatamente como pedir as coisas para seus avós, tanto maternos como paternos que moram longe, e claro, consegue tudo o que deseja, e o mais importante, recebe muito amor e carinho.
Mas acredito que o principal, além do amor é claro, é que seus avós acreditam nele, em seu potencial, e ajudam na sua estimulação, além de respeitar seus limites.
Não podemos esquecer que todo esse amor e carinho recíproco foi conquistado aos poucos, pois antes do diagnóstico, para os familiares que moram mais longe, Rafael não aceitava muita aproximação e ficava irritado com visitas. Em compensação hoje, com 5 anos, adora receber visitas, ama os familiares que moram longe, e quando tem alguém aqui em casa fica querendo toda atenção.
Por isso devemos pedir aos nossos familiares muita paciência nos casos de nossos anjos não parecerem "gostar" deles, pois não querer abraçar, beijar ou estar perto de seus parentes não significa que não os ame. Alguns familiares infelizmente continuaram a negar ou questionar o diagnóstico, mas desde que respeitem o jeito de ser de nossos anjos tudo bem, às vezes é uma defesa deles.
Só é necessário uma dose de paciência, uma pitada de bom humor e um caminhão de amor, que com certeza o resultado vai ser maravilhoso, pois nossas crianças são muito sensíveis e realmente sentem o amor imenso dos seus familiares, especialmente dos avós.
Tão lindo ouvir o Rafael dizer: "Te amo vovó (ô)"!
Obrigada pelo apoio e dedicação a nós e ao nosso menino, queridos avós!
Avós, Dinda e prima apoiando a caminhada da Conscientização do Autismo

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Resultados do desenvolvimento da compreensão

   Como é nítido perceber o desenvolvimento da compreensão em nossos anjos nas atividades diárias deles, e com a percepção e entendimento do que ocorre em "nosso mundo" vem as dúvidas, as perguntas e consequentemente o desenvolvimento de nossas crianças.
   O Rafael melhorou muito sua comunicação, embora ainda tenha dificuldade em manter uma conversa e algumas vezes responder adequadamente algumas perguntas, só que em paralelo tem demonstrado o quanto está desenvolvendo sua compreensão e com ela aumentando sua curiosidade de saber como tudo funciona e até o porque de muitas coisas.
   Por exemplo, fui viajar, somente dois dias fora de casa, mas papai de férias cuidando em manter toda a rotina do nosso anjo. Na noite anterior a viagem expliquei ao pequeno Rafael sobre a minha ausência, que eu iria para outra cidade estudar e mostrei em seu calendário visual a data do meu retorno, e para minha surpresa ele reclamou e começou a chorar de soluçar, o que para mim foi uma surpresa, pois em outras ocasiões semelhantes ele simplesmente ignorava a informação prestada. Na primeira noite fora liguei para eles, e outro fato surpreendente, falei com o Rafael, que detesta telefone, ele me disse muito sucinto: "chega mamãe, chega", e eu lhe expliquei no telefonema que esta noite eu não chegaria, somente no dia seguinte e ele respondeu: "ah, não!". E quando retornei, bem diferente dos comportamentos anteriores que me apavoravam (muito choro, me ignorar, fazer birras), ele me recebeu com um sorriso lindo e uma alegria enorme, eu nem acreditei!
"Tarefa da mamãe!"

   Depois ele quis entender bem certinho o que eu tinha feito na viagem, então pegou o meu banner que eu tinha levado na viagem e já entendeu que era a minha "tarefa", e ficou com ele para todos os lados da casa, achando ele lindo, e perguntando o nome da cidade que a mamãe foi fazer a tarefa. 
Banner da mamãe!

Abrindo a tarefa da mamãe!
Fazendo pose para tirar foto!










   Além deste fato, nosso anjo a cada dia tem nos mostrado o quanto está tentando aprender tudo o que o cerca, às vezes é necessário explicar mais de uma vez ou de formas diferentes, mas tudo o que você fala para ele simplesmente ele não esquece, e um fato importantíssimo que o papai percebeu, está usando muita associação para entender as coisas, o que está facilitando seu aprendizado. Por exemplo, ele aprendeu sobre os bichinhos de jardim na escola, abelhas, formigas, aranhas, se você fala para ele não mexer em um buraco na grama porque tem bichinho ele já começa a falar o nome de todos os bichinhos que aprendeu para saber qual é o bichinho que pode ter ali; também a associação é muito útil para desempenhar atividades como desenho, é só explicar que para desenhar uma casa ele pode começar por um quadrado e assim por diante, ou citar algo que ele conheça. 
Na escola, estudando os bichinhos!
    É tão interessante a curiosidade de saber tudo, qualquer propaganda da televisão ele quer saber o nome da marca e do que se refere, se é roupa, calçado, brinquedo, e em casa também, quer saber o nome das marcas de tudo o que compramos, parece uma esponja absorvendo milhares de informações, quanta memória!
  A questão agora é cuidar o que falamos para ele, pois não estávamos acostumados a dar tantas explicações e respostas, e agora ele realmente está disposto a aprender, então estamos também aprendendo com nosso anjinho a melhor forma de lhe ensinar como funciona tudo neste mundo maluco!
  Com sua compreensão desenvolvida tenho certeza que sua comunicação também vai melhorar, pois realmente nosso anjo está se esforçando muito, e ele fica extremamente feliz quando consegue falar corretamente e percebe que entendemos o que disse, o nome de uma banda ou outra informação que ele deseja partilhar conosco, e ele faz questão da nossa aprovação ou correção do que está falando. Nosso menino está crescendo!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Força de vontade...

Todos os dias ensinamos novas atividades aos nossos anjos, e repetimos treinamentos de atividades cotidianas, sempre visando a independência de nossos filhos.
E, diante de tantos ensinamentos observamos que nossos anjos são muito determinados a aprenderem, que eles tem uma vontade imensa de se superar, e quando acreditamos neste potencial, com certeza eles percebem e lutam ainda mais para conseguir realizar o que propomos.
O inverso também ocorre, percebemos no nosso anjo que quando ele tenta realizar algo que pedimos e não consegue, ele fica bravo, mas é uma revolta que reflete sua frustração de não ter conseguido, e normalmente ele tenta de novo, e se necessário de novo até conseguir, e agora até nos pede ajuda.
Um exemplo é a questão de se vestir sozinho, no início é necessário mostrar a importância da criança se vestir sozinha, para ela ter a percepção de independência e o que isto pode lhe proporcionar, depois ir ensinando por etapas, mostrar para a criança como colocar cada peça de roupa, deixando ela tentar, assim conseguimos muitas vezes perceber a forma que fica mais fácil para ela colocar aquela peça, e o mais importante, quando der tudo errado, rir muito junto com ela, não fazer drama da situação, tornar este aprendizado algo gostoso e não uma chatice.
O Rafael já consegue se vestir sozinho, só falta aprender fechar botões e colocar as meias, e quando fui ensina-lo a colocar as camisetas, eu comecei a ensinar de uma forma, mas quando ele tentou fazer sozinho encontrou uma maneira mais fácil para ele de se vestir. E a calça quando ele coloca as duas pernas juntas em uma perna da calça, começamos a rir, e então eu falo calmamente, vamos tirar e começar de novo, dou uma ajeitada na calça, que neste altura está toda torta e ele começa novamente até estar vestido. Para nós e principalmente para nosso anjo isto foi uma vitória.
As nossas crianças tem muita força de vontade, são persistentes nas tentativas, e procuram alcançar os objetivos que propomos em casa, na escola ou nas terapias, mesmo que com grande esforço.
Este é mais um ensinamento de nossos anjos aos seus pais, cuidadores, professores, terapeutas ou familiares: mesmo que o caminho seja tortuoso ou o fardo seja pesado, tente fazer o que for necessário para alcançar suas metas e diminuir suas dificuldades, às vezes é necessário estudar, tentar de novo, refazer uma parte, começar de novo. O que importa mesmo é não desistir jamais!

sábado, 1 de setembro de 2012

Blog Lagarta Vira Pupa

Nesta semana enviei uma contribuição ao blog Lagarta Vira Pupa, a história do nosso anjo Rafael e seu cachorro Woody, assim como outros pais também enviaram suas histórias e a postagem ficou muito interessante, podem conferir no link:
http://lagartavirapupa.com.br/blog/quando-quatro-patinhas-fazem-a-diferenca/

Vale a pena conferir este link, a postagem inteira e os diversos relatos sobre os animais de estimação das crianças!


“Nosso menino Rafael tinha 3 anos, filho único, nenhum primo ou parente próximo de criança para brincar ou interagir, somente as crianças da escola, diagnosticado com Transtorno Invasivo do Desenvolvimento não especificado neste mesmo ano.
Então, compramos um cachorrinho para ele, que ajudou a escolher, acreditamos que foram atraídos. Seu nome: Woody, desengonçado para correr e muito amável.
Woody ajudou nosso pequeno Rafael brincando com ele, deixando-se abraçar, puxar, correndo com nosso Rafael e brincando sem parar, realmente bons companheiros.Como moramos em apartamento, seu cachorro, hoje, com 2 anos, fica na casa dos avós maternos. Agora que Rafael já fala, além dos abraços e brincadeiras, principalmente correr, adora dar ordens ao Woody. Aprendeu, também, o valor das palavras, pois o poder do amor já tinha aprendido!”
Silvana Heberle Dropa, Blumenau