quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Avós: amor incondicional...

Tão importante como o amor incondicional de nós, pais de nossos anjos, temos o amor imenso de familiares de nossas crianças, especialmente os avós.
E como é importante a aceitação e todo o carinho de toda a família pelos nossos anjos, é incrível como eles são sensíveis e sentem a intensidade desde grande amor!
Quando nosso anjo nasceu, foi o primeiro neto das duas famílias, e permaneceu assim até os 4 anos, recebendo muita atenção e muito amor de seus avós, que são loucos por ele, do jeitinho lindo que ele é, adoram seu jeito de ser e sempre o entenderam, mesmo quando as palavras teimavam em não se pronunciar.
O nosso pequeno Rafael ficou aos cuidados de sua avó materna o dia todo até 1ano e 8 meses, e raramente fica doente, praticamente não tomou remédios fortes ou antibióticos, e tem um enorme amor por ela, pelo menos uma vez por semana pede: "dormir na vovó".
Claro que logo após o diagnóstico, nossos familiares também passam por uma crise de aceitação assim como nós, mas depois de superada esta fase eles contribuem muito na criação de nossos pequenos, inclusive quando estamos exaustos, ou por crises, birras, doenças ou noites mal dormidas, quem nos salva? Os queridos avós ou familiares.
E como nossos anjos sabem conquistar estes pais com açúcar, eles conseguem tudo o querem com aquele sorriso maroto ou com aquele olhar fatal, nem precisam tentar falar nada!
O Rafael é muito sapeca, sabe exatamente como pedir as coisas para seus avós, tanto maternos como paternos que moram longe, e claro, consegue tudo o que deseja, e o mais importante, recebe muito amor e carinho.
Mas acredito que o principal, além do amor é claro, é que seus avós acreditam nele, em seu potencial, e ajudam na sua estimulação, além de respeitar seus limites.
Não podemos esquecer que todo esse amor e carinho recíproco foi conquistado aos poucos, pois antes do diagnóstico, para os familiares que moram mais longe, Rafael não aceitava muita aproximação e ficava irritado com visitas. Em compensação hoje, com 5 anos, adora receber visitas, ama os familiares que moram longe, e quando tem alguém aqui em casa fica querendo toda atenção.
Por isso devemos pedir aos nossos familiares muita paciência nos casos de nossos anjos não parecerem "gostar" deles, pois não querer abraçar, beijar ou estar perto de seus parentes não significa que não os ame. Alguns familiares infelizmente continuaram a negar ou questionar o diagnóstico, mas desde que respeitem o jeito de ser de nossos anjos tudo bem, às vezes é uma defesa deles.
Só é necessário uma dose de paciência, uma pitada de bom humor e um caminhão de amor, que com certeza o resultado vai ser maravilhoso, pois nossas crianças são muito sensíveis e realmente sentem o amor imenso dos seus familiares, especialmente dos avós.
Tão lindo ouvir o Rafael dizer: "Te amo vovó (ô)"!
Obrigada pelo apoio e dedicação a nós e ao nosso menino, queridos avós!
Avós, Dinda e prima apoiando a caminhada da Conscientização do Autismo

3 comentários:

  1. Que lindo Silvana .
    Deus te abençõe e te guarde.
    Abração

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Tia Lúcia pelo seu carinho!

    ResponderExcluir
  3. Oi Silvana! Tbm sou mãe de autista. Mt bom poder encontrar mães de autistas por aqui. Vamos trocando experiências. Abraço!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, responderemos com muito carinho. Obrigado.