terça-feira, 29 de outubro de 2013

Tempo de viver coisas novas!

Encontrei esta frase na internet e acredito que ela reflete nosso momento atual.
Aconteceu tudo muito rápido, nem conseguimos comunicar todos os amigos ainda, mas estamos mudando de cidade e de estado.
Papai recebeu e aceitou uma proposta de emprego em uma nova empresa e a perspectiva de uma carreira desejada e planejada, e assim começamos a mudar nossa história.
Mudamos para o Rio de Janeiro e o nosso anjo Rafael nos surpreendendo, feliz e calmo!

Seria tão fácil, como disse papai, se pudéssemos carregar nossa casa inteira simplesmente para  a nova cidade, sem precisar procurar outro imóvel, encaixotar tudo...
 Mas isto ainda não é possível, então tivemos que fazer a mudança da forma tradicional, viajar até o Rio de Janeiro, conhecer a cidade e procurar um apartamento. Explicamos tudo para o Rafael que entendeu tudo e novamente superou nossas expectativas na sua primeira viagem de avião, que incluiu primeiro uma viagem de ônibus até o aeroporto de Navegantes, um avião até São Paulo e uma conexão para o Rio de Janeiro, e depois mais uma volta de táxi, até chegar no hotel e encontrai o papai. Adorou tudo, ficou calmo e curtiu ver e fotografar as nuvens.
Escolhido o apartamento iniciamos a arrumação dos nossos pertences para a mudança e marcamos o dia.
Colocando tudo em caixas não incomodou o Rafael como eu pensei que seria, ele até ajudou a colocar tudo em caixas. Os seus brinquedos foram os últimos a serem guardados, alguns ficaram de fora para serem levados na mala.
O dia da mudança foi um pouco incômodo, mesmo assim tentei manter sua rotina normal de terapias e escola para não ficar tanto no meio de entra e sai de caixas e móveis.
E chegado o dia de viajar de avião para casa nova e principalmente encontrar o "meu papai", como Rafael diz, foi mágico e a alegria transparecia em seu rostinho, um alívio para todas as nossas preocupações sobre mudar!
Estamos em adaptação aqui no Rio de Janeiro, montando móveis, instalando tudo o que precisamos, conhecendo os locais, procurando mercados e lojas, e como ainda não trouxemos o carro, andando muito e muito, o que quase não fazíamos em Blumenau.
Rafael nas segundas-feiras ainda pergunta se vamos a Blumenau, afinal algumas coisas ainda ficaram lá para terminarmos e trazermos e sua rotina de terapias sempre começa na segunda-feira, mas explicamos que ainda não é o dia de irmos e tudo bem. 
Está alegre em conversar pelo Skype com os avós e suportando bem a saudade de todos os amigos de Blumenau.
Claro que às vezes fica entendiado, pois ainda sem escola e terapias, acostumado com uma agenda lotada, mas explicamos que são férias, e procuramos leva-lo para passear que o tédio já passa.
E principalmente está bem malandro, quando fomos visitar uma escola e depois passar na farmácia, ao chegar e ver o portão fechado já falou: "a escola está fechada, vamos agora na farmácia?"

Enfim, a mudança está apenas no início, ainda retornamos a Blumenau para um procedimento médico e para finalizar terapias, e principalmente se despedir dos amigos (esta parte esta sendo mais difícil para nós).

E esta é a mensagem do momento, sem medo de mudar:



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

A história do Rafael até hoje!

O vídeo abaixo foi montado para uma apresentação que fizemos no último encontro da Associação de Pais e Amigos dos Autistas de Blumenau e Microrregião, onde apresentamos nossos filhos, para que todos os associados conhecessem um pouco sobre a história e luta de nossas crianças, que foi o que nos impulsionou a fundar nossa associação.


video

E como o título da postagem relata, esta história é até hoje, pois queremos sempre melhora-la e compartilha-la!