quarta-feira, 28 de maio de 2014

Houve um tempo de batalhas mais duras...

Houve um tempo de batalhas mais duras, coração apertado, aguardando ouvir uma palavra ao menos e não apenas sons ecoando sem sentido. Depois vieram as palavras, apenas decoradas e repetidas, mesmo assim o som da sua voz soava como música para nossos ouvidos. Finalmente apareceram as primeiras frases, aos poucos, juntando duas palavras, aguardando meses até juntar mais palavras, como se lindos poemas fossem declamados aos nossos ouvidos. 
Hoje escutamos palavras e frases com sentido, músicas, histórias e alguns sons ainda, principalmente imitando sons que gosta, é mais que poema, é mais que música, é o nosso anjo conseguindo se comunicar e se expressar.



Houve um tempo de batalhas mais duras, coração apertado, cuidados básicos viravam verdadeiras aventuras, cortar a unha, só dormindo e de preferência um sono bem profundo, cortar os cabelos uma luta livre ou uma tentativa de mudar de profissão e tentar ser cabeleireira.  Etiquetas precisavam ser arrancadas, as roupas muito bem escolhidas em tecidos e modelos, na hora do banho especialmente de lavar o cabelo mais um desgaste sem fim. 
Hoje quando pede para cortar a unha, pede para ir cortar o cabelo ou escolhe e veste a sua roupa nos enche de orgulho, isto quando não tenta pegar o cortador ou a tesoura e fazer o “serviço” sozinho. Roupas escolhidas adequadamente para cada ocasião, separa e arruma seu guarda-roupa, o que é isto, se me contassem que viveria este momento há 3 anos, eu não acreditaria.

Houve um tempo de batalhas mais duras, coração apertado, consultas médicas representavam uma sala de tortura com direito a eletrochoque, tamanha gritaria e desespero, dentista melhor nem tentar. Hoje adora ir em consultórios, já procura brinquedos e os acessórios médicos como o estetoscópio, e faz questão de ser pesado e medido antes do final da consulta. Dentista já frequenta, não com tanta satisfação, mas permitindo o básico.


Houve um tempo de batalhas mais duras, coração apertado, dormir uma noite inteira, o que era isso, passou três anos, quatro, cinco e seis, e nada dos pais dormirem uma noite inteira sem serem chamados, cansativo, desgastante. E hoje, arruma sua cama, escolhe seu pijama, o veste, escova seus dentes, faz xixi e dorme, sim, dorme a noite inteira e acorda com muito bom humor.

Houve um tempo de batalhas mais duras, coração apertado, locais lotados, shoppings ou lojas nem pensar em frequentar, ou passear com uma criança sendo arrastada, estressada ou no colo se escondendo. Visitas em casa, só faltava colocar a vassoura atrás da porta, além de não cumprimentar ficava tentando tirar os pais da conversa, choramingava, ficava nervoso. 
E hoje, se deixar vai todo os dias em algum shopping, adora passear estar entre as pessoas, supermercado então simplesmente ama, principalmente se for diferente ou novo, e quando recebe visitas em casa fica cercando querendo chamar sua atenção e aeroporto só diversão.


Será que o tempo de batalhas mais duras, coração apertado passou?
Prefiro acreditar que sim, foram 4 anos desde o diagnóstico e ainda temos algumas lutas, melhorar sua comunicação especialmente quando frustrado  ou sobre pressão, diminuir sua ansiedade em determinadas situações e continuar ensinando como se comportar em sociedade.
Mas são lutas mais brandas, mais leves que alegram nossos corações.
Sentimos nosso menino feliz e alegre, porém confuso com a nova luta que estamos enfrentando, como lidar com birras e comportamentos de uma fase que ele pulou e não aprendeu,  nestes preciosos quatro anos ele pulou algumas fases e agora está correndo atrás para entender o mundo e as pessoas.


E desejamos apenas uma coisa, que a batalha do autismo seja vencida e ele continue com muita qualidade de vida e FELIZ, mesmo se muitas lutas ainda forem necessárias!

E para as famílias que estão iniciando suas lutas fica a mensagem, no início cada batalha é longa e dolorida, mas com muito amor, paciência, terapias e tratamentos é possível torna-la mais leve e colher muitos frutos em um futuro breve! 
Devemos ser os primeiros a acreditar no potencial de nossos filhos!

9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sem palavras...verdadeiro herói. Parabéns pela dedicação de vcs.
    Saudades. . Beijos

    ResponderExcluir
  3. Linda mensagem, e um exemplo, pois sabemos que a tarefa é árdua, más o resultado é compensador.
    Obrigado Sil por compartilhar um pouco do seu mundo.

    Beijo para vocês.

    Jocaffi

    ResponderExcluir
  4. Parece a história de minha filha Julia...me identifiquei em cada batalha e a cada vitória vencida tbm...hj ela tbm começou a formar frases e palavras com significado, a se vestir sozinha, pedir por favor e a me ajudar..É o tempo da alegria! Graziele e sua filha Julia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, sabemos bem o valor de cada pequena vitória deles!

      Excluir

Deixe seu comentário, responderemos com muito carinho. Obrigado.